Buscar
0

Livros


Filtros

Filtros

R$89,90
Comprar
Geontologias
Elizabeth Povinelli
Ubu Editora

0 avaliações

Em Geontologias – Um réquiem para o liberalismo tardio, a filósofa e antropóloga estadunidense Elizabeth Povinelli põe à prova as ontologias ocidentais ao colocá-las em relação com os modos de vida e os conhecimentos aborígenes ancestrais. Trabalhando e vivendo desde 1984 em camaradagem familiar com a pequena comunidade indígena de Belyuen, que habita a Península Cox, no Território do Norte da Austrália, Povinelli tornou-se uma aliada disposta a mediar o diálogo entre diferentes visões de mundo com vistas à proteção do território originário da sanha exploratória das companhias de mineração. Para tanto, apresenta uma nova mirada ao que chama de liberalismo tardio, forma de governança da diferença e dos mercados que se organiza de modo a conservar a perspectiva liberal e a acumulação de valor entre as classes e os grupos sociais dominantes.?
Diferentemente dos relatos etnográficos tradicionais, a intenção da autora não é explicar a cultura e a sociedade aborígenes para quem não faz parte dela; seu objeto de estudos é justamente o liberalismo tardio provindo do Estado de ocupação, e seu intento é mostrar essa interferência externa de um ponto de vista centrado na comunidade. Por meio de uma nova nomenclatura científica em que articula o pensamento aborígene e a filosofia ocidental, Povinelli apresenta aqui o que chama de geontopoder, governança que diferencia entre a vida e a não-vida para exercer sua dominação (diferente do biopoder foucaultiano, que governa sobre a vida e a morte), e sua consequente geontologia, que leva em conta o que fica de fora da biopolítica por estar no campo do não vivo: as rochas, o vento, os rios…?
Podemos assim observar como opera em torno de nós um mecanismo que pretende estabelecer uma divisão irreversível entre vida e não-vida – e como esse mecanismo é incompatível com a visão de mundo aborígene, para quem tal divisão está fora dos limites do entendimento e da convivência com formações e fenômenos naturais dotados de existência própria. Povinelli aborda a resistência indígena em face da exploração de minérios em seu território e da falta de apoio governamental para a sobrevivência de suas tradições e de seus conhecimentos ancestrais. Um território que, ressalte-se, não é apenas lar mas também família.

  • Páginas
    304
  • Encadernação
    BROCHURA
  • ISBN
    9788571260955
  • Peso
    380 gr
  • Formato
    14 × 21 × 1.4 cm

Descrição

Em Geontologias – Um réquiem para o liberalismo tardio, a filósofa e antropóloga estadunidense Elizabeth Povinelli põe à prova as ontologias ocidentais ao colocá-las em relação com os modos de vida e os conhecimentos aborígenes ancestrais. Trabalhando e vivendo desde 1984 em camaradagem familiar com a pequena comunidade indígena de Belyuen, que habita a Península Cox, no Território do Norte da Austrália, Povinelli tornou-se uma aliada disposta a mediar o diálogo entre diferentes visões de mundo com vistas à proteção do território originário da sanha exploratória das companhias de mineração. Para tanto, apresenta uma nova mirada ao que chama de liberalismo tardio, forma de governança da diferença e dos mercados que se organiza de modo a conservar a perspectiva liberal e a acumulação de valor entre as classes e os grupos sociais dominantes.?
Diferentemente dos relatos etnográficos tradicionais, a intenção da autora não é explicar a cultura e a sociedade aborígenes para quem não faz parte dela; seu objeto de estudos é justamente o liberalismo tardio provindo do Estado de ocupação, e seu intento é mostrar essa interferência externa de um ponto de vista centrado na comunidade. Por meio de uma nova nomenclatura científica em que articula o pensamento aborígene e a filosofia ocidental, Povinelli apresenta aqui o que chama de geontopoder, governança que diferencia entre a vida e a não-vida para exercer sua dominação (diferente do biopoder foucaultiano, que governa sobre a vida e a morte), e sua consequente geontologia, que leva em conta o que fica de fora da biopolítica por estar no campo do não vivo: as rochas, o vento, os rios…?
Podemos assim observar como opera em torno de nós um mecanismo que pretende estabelecer uma divisão irreversível entre vida e não-vida – e como esse mecanismo é incompatível com a visão de mundo aborígene, para quem tal divisão está fora dos limites do entendimento e da convivência com formações e fenômenos naturais dotados de existência própria. Povinelli aborda a resistência indígena em face da exploração de minérios em seu território e da falta de apoio governamental para a sobrevivência de suas tradições e de seus conhecimentos ancestrais. Um território que, ressalte-se, não é apenas lar mas também família.

Informação adicional

Peso 0,38 kg
Dimensões 1,4 × 14 × 21 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Geontologias”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *