Buscar
0

Livros


Filtros

Filtros

R$59,90
Comprar
PRIMEIRA POESIA
Jorge Luis Borges
Companhia das Letras

0 avaliações

Nos poemas que compõem este Primeira poesia, Borges, que havia passado seus anos de formação na Europa e convivera com as vanguardas literárias, reencontra sua cidade natal e uma literatura marcada pelo criollismo, voltada para o pampa e os valores nativos. Sentindo-se distante da racionalidade burguesa da metrópole moderna e sem se identificar com o nativismo militante, ele se volta para os arrabaldes, espaços de transição entre a cidade e o campo, e os entardeceres, tempo de transição entre o dia e a noite. Em vez da exaltação urbana e cosmopolita típica de movimentos literários da época, ele se fixa num passado cristalizado no tempo, representado por próceres da história argentina e casas baixas com balaustradas. É um olhar que permite visualizar os horizontes e os crepúsculos, de costas para a inevitável verticalização da metrópole, e que imagina uma Buenos Aires eterna, atemporal, quase fantasmagórica em sua essência. A cidade define-se pelas ruas de subúrbio, pátios, praças e cemitérios. Um móvel, um espelho ou uma rosa assumem, repentinamente, um sentido de permanência, de fixação da memória. E assim, diante do efeito avassalador do progresso que começa a erodir a cidade de sua infância, ele busca elaborar uma verdadeira “fundação mítica de Buenos Aires”. “Minha pátria – Buenos Aires – não é o dilatado mito geográfico que essas duas palavras indicam; é minha casa, os bairros amigáveis e, juntamente com essas ruas e retiros, que são querida devoção de meu tempo, o que nelas conheci de amor, de mágoa e de dúvidas”. É assim que Borges define sua cidade natal no prólogo original de Fervor de Buenos Aires, posteriormente substituído por outro em que confessa: “Não reescrevi o livro. Mitiguei seus excessos barrocos, poli arestas, cortei sentimentalismos e vaguezas e, no decurso desse trabalho, ora agradável, ora incômodo, senti que aquele rapaz que o escreveu em 1923 já era, essencialmente – que significa essencialmente? – o senhor que agora se resigna ou corrige. Somos o mesmo: ambos descremos do fracasso e do sucesso, das escolas literárias e de seus dogmas; […] Para mim, Fervor de Buenos Aires prefigura tudo o que eu viria a fazer”.

  • Seção
    Poesia/Música
  • Ano de edição
    2007
  • Páginas
    200
  • Encadernação
    BROCHURA
  • ISBN
    9788535911213
  • Peso
    263 gr
  • Formato
    14 × 21 × 1.2 cm
  • Palavras-chave
    Argentina, Literatura Fantástica, Literatura Latinoamericana, Poesia

Descrição

Nos poemas que compõem este Primeira poesia, Borges, que havia passado seus anos de formação na Europa e convivera com as vanguardas literárias, reencontra sua cidade natal e uma literatura marcada pelo criollismo, voltada para o pampa e os valores nativos. Sentindo-se distante da racionalidade burguesa da metrópole moderna e sem se identificar com o nativismo militante, ele se volta para os arrabaldes, espaços de transição entre a cidade e o campo, e os entardeceres, tempo de transição entre o dia e a noite. Em vez da exaltação urbana e cosmopolita típica de movimentos literários da época, ele se fixa num passado cristalizado no tempo, representado por próceres da história argentina e casas baixas com balaustradas. É um olhar que permite visualizar os horizontes e os crepúsculos, de costas para a inevitável verticalização da metrópole, e que imagina uma Buenos Aires eterna, atemporal, quase fantasmagórica em sua essência. A cidade define-se pelas ruas de subúrbio, pátios, praças e cemitérios. Um móvel, um espelho ou uma rosa assumem, repentinamente, um sentido de permanência, de fixação da memória. E assim, diante do efeito avassalador do progresso que começa a erodir a cidade de sua infância, ele busca elaborar uma verdadeira “fundação mítica de Buenos Aires”. “Minha pátria – Buenos Aires – não é o dilatado mito geográfico que essas duas palavras indicam; é minha casa, os bairros amigáveis e, juntamente com essas ruas e retiros, que são querida devoção de meu tempo, o que nelas conheci de amor, de mágoa e de dúvidas”. É assim que Borges define sua cidade natal no prólogo original de Fervor de Buenos Aires, posteriormente substituído por outro em que confessa: “Não reescrevi o livro. Mitiguei seus excessos barrocos, poli arestas, cortei sentimentalismos e vaguezas e, no decurso desse trabalho, ora agradável, ora incômodo, senti que aquele rapaz que o escreveu em 1923 já era, essencialmente – que significa essencialmente? – o senhor que agora se resigna ou corrige. Somos o mesmo: ambos descremos do fracasso e do sucesso, das escolas literárias e de seus dogmas; […] Para mim, Fervor de Buenos Aires prefigura tudo o que eu viria a fazer”.

Informação adicional

Peso 0.263 kg
Dimensões 1.2 × 14 × 21 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “PRIMEIRA POESIA”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros livros de Jorge Luis Borges